• Todas as comunidades
    • Todas as comunidades
    • Fóruns
    • Idéias
    • Blogs
Avançado

Kudos0

Melhores práticas de segurança para pais nas redes sociais

Como as crianças estão muito conectadas atualmente, pode ser um trabalho de tempo integral para os pais estar sempre atentos a tudo o que elas fazem on-line. Enquanto muitas crianças parecem estar familiarizadas com tecnologia e a Internet, nós, às vezes, esquecemos que elas ainda estão aprendendo e podem estar despreparadas para encarar riscos e armadilhas de estarem constantemente conectadas – especialmente quando se trata das redes sociais.

Nós separamos algumas dicas que vão ajudar você e seus filhos a aproveitarem as redes sociais de modo mais seguro.

Eduque e se comunique

Se eduque sobre as redes sociais. Pergunte a seus filhos quais sites eles estão interessados em criar uma conta. Se você não tiver um perfil nessa rede social, crie um para si mesmo. Aprenda os prós e contras desse site, sabendo exatamente o que eles poderão fazer ou não fazer lá.

Tenha conversas abertas com seus filhos sobre como evitar estranhos, como não expor tantas informações sobre si mesmos na internet e segurança on-line de modo geral. Ensine a eles alguns pontos citados neste artigo, e o mais importante: Incentive-os a ir até você quando situações ou conteúdos questionáveis aparecerem.

Ensine seu filho a ficar atento ao que é publicado. Só porque alguma coisa é publicada e deletada depois, não significa que isso está totalmente apagado da internet. Isso pode não parecer grande coisa agora, mas pode mexer com a reputação deles mais tarde, conforme eles forem crescendo. Fique atento a habilidade deles em fazer pesquisas on-line. Você já procurou por seu filho ou você mesmo no Google? Se não, você deveria, assim você pode ficar ciente das informações que estão soltas por aí. Faça isso frequentemente para estar atento as novidades que aparecem com o passar do tempo.

Também é importante que seus filhos saibam que as redes sociais podem trazer mais informações pessoais do que eles pensam. Muitos sites fornecem informações como nomes reais, idade, escola e cidade em que eles vivem.

Segurança em primeiro lugar

Aconselhe seus filhos a nunca aceitar solicitações de amizade ou adicionar pessoas que eles não conhecem. Isso pode ser uma forma de perseguição on-line conhecida como “catfishing”. O usuário pode fazer um perfil falso e se passar por outra pessoa (como uma criança) para tentar se comunicar. Pesquise sobre Catfishing e cyberstalking, e ensine seus filhos quais ameaças podem estar por perto. Certifique-se de que eles saibam que nunca devem se encontrar pessoalmente com alguém que eles conheceram on-line.

Evite questionários, brindes e concursos livres. Eles, às vezes, podem ser iscas para conseguir informações pessoais dos seus filhos ou tentar instalar algum malware em seu dispositivo. Pesquise sobre phishing scams, e se seu filho quiser realmente acessar este conteúdo, reveja primeiro e tenha certeza de que o conteúdo do site é legítimo.

Personalizar o status da rede social com sua localização está cada vez mais popular. Enquanto tagear fotos e publicações com o lugar em que se está pode parecer divertido para as crianças, isso pode ser problemático para os pais que preferem que a localização de seus filhos são seja transmitida para o mundo. Para evitar isso, vá até as configurações do dispositivo do seu filho e desative os serviços de localização. Isso pode ser feito para aplicativos específicos e ainda permitir que mapas e outras ferramentas acessem os dados de localização.

Outra grande armadilha é o uso de jogos e outras aplicações de diversão dentro dos sites. Essas ferramentas podem compartilhar ou publicar informações sem você saber. Os melhores vão indicar claramente que eles nunca vão publicar nada em seu nome; para aplicativos menos conhecidos ou respeitados, considere se você quer que seu filho permita que esses aplicativos tenham acesso a tudo nas redes sociais.

Coloque suas próprias regras de internet na sua casa

Mantenha o computador em uma área comum da sua casa, como a sala ou cozinha. Você pode monitorar mais de perto os sites que seus filhos estão visitando, e eles não vão ficar tão tentados a acessar sites ou fazer algo que não estão autorizados sem que você esteja vigiando.

Apenas permita que seus filhos acessem a internet (exceto para as lições de casa) por tempo limitado, por algumas horas por dia. As redes sociais podem ser um sugador de tempo, e você não quer que seu filho perca todo o tempo livre nestes sites.

Faça um acordo se seu filho quiser acessar uma rede social: peça para que você tenha o acesso à conta dele, para que você possa monitorar periodicamente as atividades dele, como: fazer amizade com pessoas suspeitas, receber mensagens maliciosas ou publicar conteúdo questionável. Se seu filho for mais adolescente e achar que você ter acesso total a conta é muito invasivo, peça para que ele o adicione como amigo, assim você consegue monitorar as atividades dele pela sua própria conta.

Marque por idade os sites apropriados. Muitas redes sociais, como Facebook, Twitter e Instagram tem um limite mínimo de 13 anos. Alguns desses sites tem configurações de segurança adicional para os menores de idade. O Facebook, por exemplo, automaticamente fornece configurações de privacidade mais rigorosas do que para os adultos, para ter certeza que seu filho está usando a data de nascimento correta quando conectar. O Twitter libera uma opção para a conta ser privada, assim os usuários aprovam todas as solicitações de acesso. Além dessas ferramentas de defesa, você pode sempre rever as configurações de privacidade da conta de seu filho.

Controle para os pais

Um jeito simples de adicionar uma camada extra de segurança é se inscrever gratuitamente no Norton Family . Ele mostra quando seus filhos se registram em uma rede social no seu computador, e o nome e idade que eles usaram no perfil. Fazendo o upgrade para Norton Family Premier, você também recebe relatórios das atividades dos seus filhos em dispositivos móveis Android, e você ainda pode escolher quais aplicativos eles podem usar – ou até desabilitar o acesso ao Facebook  ou Youtube.

Para saber mais sobre conversas sobre cyberbullying, baixe o nosso e-book Cyberbullying: What You Need to Know